segunda-feira, 27 de agosto de 2007

Uma Gota de Sangue


Mark Ryden

Escrever
é colocar uma gota de sangue
no sangue dos outros e envenená-lo
as palavras projectam-se infectas
saem das mãos do poeta
são jactos primordiais que atingem os outros
e assim o poeta como o perfumista
difunde-se e confunde-se nos odores dos outros
deixa a sua magnólia
e enxerta-se em tudo o que é planta de receber enxerto
o Poeta é um jardineiro
uma ave carregada de pólenes
um peixe pescador encantador de ventos
que sabe congelar o tempo
tempo que parou naquela carta que não enviaste
porque não me conhecias
e agora é tarde
é tão tarde que me perdi
de tanto passar por estas ruelas difíceis
que conhecem o meu nome pétreo
porque o meu nome caiu no chão
e quebrou o derradeiro sonhar do sonho
o poema despedaçado
que goteja venenoso nas palavras possíveis de escrever
porque há palavras que ainda não existem
que são como animais futuros
que habitam a boca dos poemas por escrever
eu digo e sonho
no dizer de todas as minhas vozes de homem multiplicado
eu digo que tal como a metáfora
embala o poema espreguiçando-se em todo o seu amplexo
também o Poeta se prepara para dormir
depois de derrubado pelo seu poema
Poeta vazio de palavras
que volta a ser humano
a alma contida dentro de um rebuçado
um corpo dentro das cidades queimadas
pela distancia de não haver partida
só saudade absoluta
memória lembrança das viagens por cumprir
no teu corpo perfumado pelo sarro marinho
a luz da luz que tudo escurece
este quarto donde acabas de sair com um sorriso infantil
que convoca as lágrimas que chorarei quando te perder.




23 comentários:

João Filipe Ferreira disse...

olá carlos, deixo aqui então o mail que já está a ser enviado para os participantes:

Olá Poetas


Vimos por este meio proceder ao passo seguinte da publicação da colectânea que reúne 100 poetas com 1 texto cada um.

Exemplo dos textos a enviar: :
poemas com 4 quadras
estilo livres ate 18 versos
ou equiivalentes no espaço


Encontrados os 100 poetas, vimos por este meio pedir o envio dos textos individuais.
Este passo vai ser procedido por um outro mail. O mail procedente a este será para o envio da declaração de cedência de 1 texto para uma colectânea de poesia e respectivo pagamento do livro que rondará os 12 euros com direito a receber um livro no dia do lançamento que será no Porto em local a definir. Se não puder estar presente enviaremos via CTT, no entanto terá de acrescer ao valor do livro os portes no valor de 2€
O pagamento deverá ser feito por cheque, vale postal ou por transferência bancária. Será da forma que o autor achar mais conveniente.


O autor também poderá adquirir o número de livros que pretender, não há limite de número de livros por autor.
Nesta colectânea não haverá distribuição de dividendos ou pagamento de direitos de autor a participação será a título de cedência de direitos.


Quando tivemos esta ideia, foi de possibilitar a criação de um livro onde todos pudessem participar pelo amor às letras e pelo prazer de ter o seu nome e o seu respectivo texto em livro físico e à venda nas bancas de muitas livrarias do país.
Sabendo das dificuldades de edição neste país decidimos fazer com que a haver custo ele fosse irrisório. Esta foi a melhor opção possível.

Cada autor pode se quiser e tiver prazer arranjar mais livrarias onde o livro pode ser comercializado. Para tal só precisa de nos enviar o contacto da livraria que entraremos em contacto com a editora e ela procederá ao respectivo envio de livros para essa livraria.
Importante: só em regime de consignação.


Como tal aceitando estas condições e tendo possibilidades de corresponder ao passo seguinte, pedimos que nos enviem para este mail ou para pedro_lopes777@hotmail.com um texto individual (poema ou prosa poética) que ocupe uma pagina A5 e com o respectivo nome do autor.

Quem não concordar como descrito e quiser desistir pedimos que nos informem para procedermos à substituição do autor de forma ao nosso projecto de 100 autores ser cumprido.
Finalizando aproveitamos para dizer que este projecto está a dar muito trabalho, mas estamos a fazer com muito gosto pois acreditamos que será algo bonito e que irá realizar muitas pessoas que nele participarão.

Hoje em dia é tremendamente difícil editar seja o que for neste país e assim possibilitamos a todos ter o nome e um texto da sua autoria num livrinho físico e ao alcance de todos.


Todos somos presentes nesta colectânea pelo gosto das letras e do que elas nos podem dar nesta vida de dissabores.

Aguardando as vossas respostas e desejando tudo de bom

Pedro Lopes
João Filipe Ferreira

Tchivinguiro: onde nasci. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tchivinguiro: onde nasci. disse...

Que sejam lágrimas que tardem, pelo menos um século, a chegar.

Haja tempo, muito, para sorrires e seres feliz.

Beijinhos.

GarçaReal disse...

Que magistralmente bem colocas uma gota de sangue no sangue dos outros.
E como as palavras saem das tuas mãos...Assim como é bom ler-te.

bjgrande

woman feelings disse...

Danças?...

Dizeres de Andarilho disse...

Desta vida guarda-se a felicidade que se leva, das tuas palavras o prazer e a dor que transmitem… é talvez um pouco sádico buscar prazer nas palavras que reflectem a tua dor…
Que a escreveres a tua dor encontres a tua paz, a dor leva ao conhecimento, que nos leva a reconhecer a quietude da alma… a quietude da alma faz-nos viver em harmonia…
Deixa os teus sonhos bailarem em volta do luar, deixa os sonhos irem e virem no tempo, como no tempo em que se era criança… deixa os círculos do coração, traçarem segmentos paralelos que comunguem em plena sintonia pensamentos e a vida…

Rute Borges disse...

Escrever é como ter um filho, planeamos, alimentamo-lo e para o fazer nascer temos dores que nos levam ao cansaço, mas à alegria de uma compensação desenhada na sua essencia...
Pela vida fora, nele nos orgulhamos, nos vemos, nos identificamos e por vezes, menos, nos desiludimos, nunca esquecendo que a ilusão é nossa e é com ela temos de resolver as nossas diferenças.
Beijo meu

Constança disse...

É um prazer enorme ser envenenada pelas tuas palavras. Obrigada. :)

Fa menor disse...

"Escrever
é colocar uma gota de sangue
no sangue dos outros e envenená-lo"

Sabes que nunca tinha pensado nisso?!
Mas olhe que, às vezes, torna-se necessário receber do sangue de outrém, não para o envenenar mas para o alimentar! O espírito precisa de alimento variado, ainda mais quando adoece!

Fa-

Utzi disse...

Este veneno não mata... Desperta!

Beijo

Vieira Calado disse...

Uma gota de sangue...
por vezes (é) uma gota de água...

woman feelings disse...

Adorei receber-te em minha casa!
Volta sempre!

Beijinhos musicais :)))

e

dança comigo... mas acima de tudo...dança com a própria vida, segue o ritmo....

Dia Feliz!

Dizeres de Andarilho disse...

te_do_vento2O poeta é:
“O poeta é um fingidor
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente”

Ou

“O poeta é tanto de tudo e de tão pouco, e é tudo e tão pouco, de tanto e de nada que, nunca, nesta vida insípida, as palavras terão alcance ou ousadia, bastante, para almejar tecer a exacta definição do que, justamente, significará ser poeta...”

Ser poeta é almejar o impossível, é ousar esculpir o indefinível, é desafiar os pensamentos e o tempo convencional, é soltar palavras como quem respira, é deixar surgir as ideias simplesmente, sem pretensões ou veleidades, é deixar soltar as palavras grandes ou pequenas, sem a intenção de proteger da morte…

John dos Passos só conheço de nome, infelizmente é uma grande lacuna minha nunca ter lido nada dele, mas de momento também não o vou fazer, ando pouco inspirado para o fazer… mas logo que me seja possível conseguir assimilar a sua escrita é um dos prioritários a ler

Tchivinguiro: onde nasci. disse...

"O mundo fica irreal, mas não me importo"

blue disse...

gosto mais das palavras do que da imagem, sinto-a desacertada das primeiras...

mas é só o que sinto e vale o pouco que vale.
:)

GarçaReal disse...

Passando só para deixar um


bjgrande

Tchivinguiro: onde nasci. disse...

Continuo à espera dos teus próximos "raios" de luz, aqui onde "as mãos (saõ) por dentro do corpo".

Beijinho

CMondim disse...

Uou! é preciso inspirar fundo depois de ler este poema.
Mt sentido! Gostei ;)

JRL disse...

Gostei muito de ler a tua alma. Um bj

A Sonhadora disse...

Boa tarde, obrigada pela passagem pelo meu cantinho...
Também andei a viajar por aqui e gostei, vou voltar
Um abraço da sonhadora

Mythical_Gothic disse...

Eu deixo lhe este comentario e peço desculpa que nao seja acerca do texto, mas se nao me engano voce tinha um video com uma musica... eu necessitava k me desse o URL disso se nao fosse incomodo, e o mais rapido possivel, se nao for pedir de mais....
Espero n me estar a enganar... obrigadah e peço desculpa pelo incomodo, mas e k que necessito mesmo disso

Velasquez disse...

Boas carlos!

seria possivel fazer um post sobre o lançamento do meu livro?
se n se importasse colocaria um igual a este, com os links e a imagem tb:

http://blogdapontamentos.blogsome.com/2007/09/11/

Estou lhe desde já mt grato. E claro, espero que apareça. Se nao for em Lisboa, depois no algarve:)

abraço
cumps

Ad astra disse...

Sublimes são as palavras que nos abrem sulcos na alma.


Beijinho Carlos