sexta-feira, 28 de março de 2008



Brevemente
É assim que se chama a vida
Um falso lugar ancorado a três poemas
O meu, o teu e o desconhecido

12 comentários:

nuvem disse...

Poucas palavras, grande impacto. Gostei, sinceramente.

Beijos

JRL disse...

é um lugar, como outro qualquer... um grande beijo, carlos. continua a postar no lat....

~pi disse...

âncora-palavra

Graça Pires disse...

Breve a vida. Breve o amor. Breve o poema.
Um abraço.

M. disse...

Se se limitasse a tão pouco que no entanto é tanto, esse brevemente seria uma eternidade.

Um beijo

Maria Laura disse...

Muito, muito brevemente...

~pi disse...

respiração

palavra

~

não

poema

[ mais tarde

TCHI de Tchivinguiro disse...

Concisa mesmo.

Beijinho

Vieira Calado disse...

É bem verdade!
Mas julgo que não necessitava
do sangue.
Podia estar, por exemplo, uma flor, em vez de.
Mas, enfim. São gostos e gostos não se discutem.

Um abraço

Dalaila disse...

esse desconhecido que passa a ser meu, teu

Massagem disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Ad astra disse...

exactamente assim...
até que se desatem os nós das amarras...

lindo!

Um beijo