sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

Todos Esses Instrumentos...


Todos esses instrumentos vermelhos
com que trabalhas o tempo em forma de cão
todos esses passos irremovíveis
com que salpicas o teu destino
servem-me de mira para te apontar este poema
que assinala a minha presença onde quiseres

10 comentários:

Manuela Viola disse...

Lindo!

M. disse...

E na mira são dois, e sentem-se ainda que na penumbra de uma tela esfumada. Captado aquele instante estende-lhe as mãos, grava todo o aroma do tempo que ele encerrou num poema.

Está lindíssimo.

Um beijo

Graça Pires disse...

Um poema. Uma fotografia. Uma presença permanente.
Um abraço.

Ad astra disse...

que não te tremam as mãos...


beijo

Maria disse...

... e onde estiveres.....
Excelente!

Maria Laura disse...

Não falhes a pontaria... que ser baleada com um poema é um privilégio.
Belo!

pin gente disse...

palavras
apontam-se
disparam-se
lançam-se
roubam-se
calam-se

se em forma de poema
atingem o coração
se o atirador for certeiro


gostei!

nuvem disse...

Forte. Muito forte. Muito bom.

Mil beijos meus

JRL disse...

todos eles... um beijo.

laura disse...

fantástico...